Toxina botulínica tipo A: por que ela faz tanto sucesso e quais são as recomendações?

março 2, 2020
Toxina botulínica

A toxina botulínica tipo A se transformou em uma das principais substâncias da medicina dermatológica. Descubra a seguir um pouco mais sobre o seu uso!

Uma das substâncias mais famosas atualmente é a toxina botulínica tipo A, que popularmente é conhecida por “botox”. Mas o que ela faz, afinal? Apesar de ser uma aplicação segura, muitos cuidados devem ser tomados ao injetá-la na pele.

Embora a ação da toxina botulínica tipo A seja conhecida pelo combate às rugas, o seu uso vai muito além. A Dermatologista Dra. Larissa Carvalho Severico, de Pelotas, destaca isso: “As possibilidades terapêuticas se estendem muito além do uso cosmético”. 

O que é a toxina botulínica tipo A?

Não é redundante falar “toxina botulínica tipo A”, como algumas pessoas podem pensar. O que acontece é que existem vários tipos dessa substância e com finalidades diferentes.

O tipo A é aquele mais conhecido como “botox” e utilizado na estética em sua maioria. Porém, há tipos de toxina botulínica utilizadas por áreas médicas como a ortopedia no tratamento de lesões.

Segundo explica a Dra Larissa Severico, o botox é utilizado há mais de 20 anos na medicina. “A substância auxilia a diminuir a contração dos músculos e assim reduzir as rugas e linhas de expressão”, caracteriza ela.

Ainda de acordo com a médica, a toxina botulínica tipo A age nas rugas estáticas. “Essas são as rugas que ficam evidentes mesmo sem expressão nenhuma”, destaca ela, citando as áreas mais beneficiadas do rosto: rugas da testa, glabela (entre sobrancelhas), área dos olhos, rugas verticais acima da boca e no pescoço.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia também é muito próxima da definição explorada pela Dra Larissa. A entidade explica que a substância bloqueia sinais nervosos enviados do cérebro ao músculo para evitar que ele se contraia.

Contudo, essa aplicação deve ser em doses exatas para evitar o botulismo. Essa condição é caracterizada pela paralisia generalizada, que é um dos riscos de se realizar a aplicação com profissionais sem certificação.

Toxina botulínica preventiva

O erro de muitos pacientes é pensar em procurar a aplicação do botox somente quando as rugas já estão aparentes. Entretanto, não é bem assim: a toxina botulínica tipo A também possui ação preventiva.

Mas o que isso significa? Conforme explica a Dra Larissa, quanto antes os cuidados iniciarem, melhor para a pele. “É mais interessante começar as aplicações precocemente, pois isso evitar que as rugas se formam”, diz ela.

A dermatologista pontua que não existe idade ideal para iniciar o procedimento, mas que o normal é a partir dos 25 anos. Além disso, há outras características que podem ser observadas para quem possui predisposição às rugas, como a pele clara ou fina demais.

Toxina botulínica para hiperidrose e outras condições

Conforme citou a Dra Larissa Severico, a toxina botulínica tipo A também possui outras finalidades. Uma delas é o seu uso para tratar hiperidrose, condição em que a pessoa tem suor excessivo.

Nesse caso ela é indicada para regiões como as axilas, mãos e pés, por exemplo. A substância é injetada visando paralisar as glândulas sudoríparas responsáveis pela transpiração.

Outras modalidades terapêuticas podem ser combinadas ao botox, como o preenchimento, peeling, microagulhamento e lazer. “Essa associação pode auxiliar ainda mais na prevenção da formação de rugas”, explica a Dra Larissa.

A profissional destaca ainda que a beleza da pele não se trata apenas da presença ou não de rugas, por isso é importante combinar procedimentos. “Importam também a qualidade e textura da pele, além do volume, forma e contorno facial”, ressalta ela.

Atualmente, inclusive, já se utiliza a toxina botulínica tipo A no tratamento da enxaqueca. Contudo, ela é indicada apenas para casos específicos e a aplicação exige uma série de recomendações de uma equipe médica multidisciplinar.

Como funciona a aplicação do botox?

A sessão para aplicar a toxina botulínica tipo A (botox) dura menos de 1h. Alguns benefícios são importantes para que se entenda o diferencial desse procedimento:

  • Não exige repouso após a sessão;
  • Dispensa cortes e cicatrizes;
  • Praticamente indolor;
  • Pode ser renovado.

Dentre as informações importantes sobre a sessão, os pacientes devem saber que a aplicação é realizada no consultório médico por um profissional certificado. Já sobre a dor, que muitos têm receio, ela é relativa: o que se sente é um leve incômodo.

A Dra Larissa alerta que as sessões devem ser feitas com um intervalo regular para que o resultado seja mantido. “Em média, elas devem ser feitas a cada seis meses, mas esse período pode variar de acordo com o paciente”, diz ela, salientando que cada caso deve ser analisado de forma particular.

Após a sessão é claro que alguns cuidados devem ser tomados. Porém, nenhum deles afeta de forma drástica a rotina do paciente:

  • Evitar massagear o local da aplicação por 48h;
  • Evitar a exposição solar;
  • Evitar a prática de exercícios físicos por até 24h.

Segundo pontua a Dra Larissa, a expectativa é de que a substância permaneça no organismo entre três e seis meses. Por isso, próximo ao 5º mês após a sessão é possível procurar o profissional novamente e analisar a renovação da toxina botulínica.

Toxina botulínica tipo A: quais são os riscos?

Obviamente, qualquer procedimento médico pode envolver riscos à saúde. No caso da toxina botulínica tipo A, considera-se que o botulismo é o seu maior risco, conforme citado acima.

Com relação a esse risco em especial, uma das formas de evitá-lo é justamente procurando sempre profissionais certificados na hora de aplicar a substância. Isso evita um resultado artificial, mas também garante a segurança da saúde do paciente.

Ainda abordando os riscos mais comuns, o paciente pode apresentar sintomas semelhantes a uma gripe nas primeiras 24h ou dores de cabeça. Contudo, isso é considerado um efeito colateral raro pelos médicos.

Destaca-se também que há casos de contraindicação da substância, como grávidas ou mulheres que estão amamentando. Da mesma forma, pessoas com doenças autoimune, miopatias, entre outras condições, devem ser avaliadas individualmente sobre a possibilidade ou não do tratamento.

Opte pela segurança!

Profissionais como a Dra Larissa Severico são aqueles que podem garantir uma aplicação segura da toxina botulínica tipo A. Ela é uma das dermatologistas presentes no Fácil Consulta e o seu perfil pode ser acessado facilmente.

Você se interessou pelo procedimento ou já passou por essa experiência? Conte mais nos comentários ou compartilhe com seus amigos. Se desejar, pode marcar sua avaliação pelo Fácil Consulta e saber mais sobre o tema com um profissional da área!

Você Também Pode Gostar

Nenhum Comentário

Deixe uma Resposta